No dia 15 de julho, terça-feira, no Complexo Prates houve um ATO afirmando a Gestão Pública da RAPS (Rede de Atenção Psicossocial)!!! Contra as Demissões e Perseguições a Trabalhadoras (es) SUS!! Pelo Protagonismo dos Usuários!!

O ATO foi uma resposta ao processo vivido no CAPS AD Prates, onde funcionários foram demitidos, por terem acompanhado e incentivado os usuários a se mobilizar e reivindicar seus direitos (algo básico em qualquer CAPS alinhado ao processo da Reforma Psiquiatrica). Após, a reunião com a Secretaria Luciana Temer várias pressões a equipe (levando a mesma a soltar uma Carta) até o ponto da demissão de duas funcionárias. As funcionários foram despedidas, sem ao menos, poder se despedir de seus grupos terapeuticos, gerando revolta, descontentamento e inconstância no tratamento dos usuários. Chegando ao ponto de usuários realizarem abaixo – assinado, denúncias ao Conselho Estadual de Direitos Humanos (CONDEPE – SP).

O Conselho Municipal de Drogas – SP também fez uma NOTA em apoio a Gestão Pública da RAPS e Contra as Demissões. Um detalhe importante a OS que administra o CAPS AD Prates fez as demissões e as pressões aos trabalhadores (as) SUS de forma contrária ao posicionamento da Supervisão de Saúde Mental – Coordenadoria Centro Oeste, que sempre acompanhou e incentivou as iniciativas da equipe do CAPS. Inclusive, parabenizando, pois a organização dos usuários foi uma saída importante ao clima de violência que havia no Complexo Prates, anteriormente.

Essa situação no Complexo Prates, mais especificamente, no CAPS AD Prates nos leva a uma Pergunta: Quem de FATO gere a RAPS a Prefeitura ou as OSs? Pois, se todo o processo foi acompanhado e incentivado pela Supervisão, porque as Demissões e toda essa situação?

Vejam as Matérias sobre o ATO:

Estadão – clique aqui

TV Gazeta – clique aqui